2007-06-24

Linux num Clevo M660

Descrevo aqui como fiz a instalação e configuração do Gentoo Linux em um notebook Clevo M660.

Por que Linux?

Linux é, hoje em dia, meu sistema operacional preferido. E tem sido nos últimos nove anos. No meu trabalho, uso Linux 100% do tempo, há pelo menos três anos.

O Linux é seguro (nunca tive um vírus no Linux -- nem tampouco me preocupei com isso), veloz (a maioria dos programas rodam nele mais rápido do que no Windows) e flexível (é inacreditável a profundidade das mudanças que se pode fazer num sistema Linux).

Por que um Clevo?

A Clevo é uma das maiores fabricantes mundiais de laptops. No entanto, ninguém nunca ouviu falar nela porque ela é uma ODM (Original Design Manufacturer),

a company which manufactures a product which ultimately will be branded by another firm for sale

Além da MSI, não sei quais empresas remarcam esse mesmo modelo, nem quais os nomes que elas conferem a ele. Mas é uma ótima máquina:

Categoria Item
Processador Intel Core 2 Duo T7200 2.0 GHz -- que bicho rápido!
Memória 1x1GB -- devidamente acrescido de 1x1GB, totalizando 2GB
Northbridge Intel 945GM
Vídeo Intel 945GM/GMS Express (rev 03)
Southbridge Intel ICH-7M
Som Intel HDA, também chamado de Azalia
Rede Realtek 8169 Gb-Ethernet -- tem funcionado tão bem quanto uma Intel
Rede sem fio Intel ipw3945
HD SATA TOSHIBA MK1034GSX 100 GB
LCD 15,4" bastante luminoso, reflexivo como os da HP
USB Infelizmente, só 3 entradas
Firewire / IEEE 1394 1 entrada i.Link®
Expansão 1 ExpressCard 54
Mídia ótica DVD+/-RW mono-layer

O que funcionou de primeira

Processador, HD (SATA AHCI), DVD+/-RW, rede com fio, som.

Ah sim! E por incrível que pareça, as teclas especiais de brilho, (des)ligar o wi-fi e suspend-to-RAM também funcionaram out of the box!

O que não funciona de jeito nenhum

Web-cam :(

Tintim por tintim: os drivers e pacotes necessários

LCD

É necessário instalar o pacote 915resolution (mesmo que o chip gráfico não seja um Intel 915, e sim Intel 945). Isso é porque os chips gráficos da Intel costumam vir com freqüências esquisitas que o Xorg não consegue detectar. O 915resolution corrige isso, alterando a VBIOS a cada boot com a resolução que você passar pra ele.

Modo de uso:

O comando 915resolution -l lista os modos gráficos definidos na VBIOS, a BIOS do chip de vídeo. Note que não há nenhuma linha com o modo suportado pelo LCD:

# 915resolution -l
Intel 800/900 Series VBIOS Hack : version 0.5.3

Chipset: 945GM
BIOS: TYPE 1
Mode Table Offset: $C0000 + $269
Mode Table Entries: 36

Mode 30 : 640x480, 8 bits/pixel
Mode 32 : 800x600, 8 bits/pixel
Mode 34 : 1024x768, 8 bits/pixel
Mode 38 : 1280x1024, 8 bits/pixel
Mode 3a : 1600x1200, 8 bits/pixel
...

O arquivo de configuração do pacote (no Gentoo, /etc/conf.d/915resolution) é bem comentado. Basta acrescentar nele uma linha como:

replace=( "3a 1280 800 32" )

Feito isso, o primeiro comando a seguir carrega o modo na VBIOS, e o segundo lista novamente os modos, agora já com o novo adicionado.

# 915resolution -f /etc/conf.d/915resolution
# 915resolution -l
Mode 30 : 640x480, 8 bits/pixel
Mode 32 : 800x600, 8 bits/pixel
Mode 34 : 1024x768, 8 bits/pixel
Mode 38 : 1280x1024, 8 bits/pixel
Mode 3a : 1280x800, 32 bits/pixel
...

Obviamente tudo já vem pronto pra esse comando ser executado sozinho a cada boot. Em outras palavras, já vem um serviço para ler o arquivo e executar o 915resolution durante o boot.

No Gentoo, insira esse serviço no runlevel default com o comando:

  # rc-update add 915resolution default

Som

O Intel HDA (Azalia) que vem no laptop necessita do módulo snd-hda-intel. Porém, até o kernel 2.6.20, se não me engano, o driver incluído no kernel não conseguia funcionar direito.

Para solucionar, é necessário usar os pacotes alsa-driver1.0.14-rc3 ou mais recente. No meu caso, isso exigiu acrescentar a entrada =media-sound/alsa-driver-1.0.14-rc3 ~x86 ao arquivo /etc/portage/package.keywords, além de seguir o Gentoo Linux ALSA Guide.

Teclas de atalho

Essa parte é realmente incrível. Meu Toshiba anterior exigia a instalação do pacote toshiba-utils, além do carregamento do módulo toshiba-acpi. Esse Clevo aparentemente tem as teclas de função ([Fn]+[Fx]) hardwired, ou seja, [Fn]+[F9] aumenta o brilho em qualquer ponto do carregamento do Linux. O mesmo vale para a tecla de diminuir o brillho, e também pras teclas de ligar e desligar o WiFi, ligar e desligar a câmera embutida e ativar o suspend-to-ram (caso esse recurso esteja ativado no kernel).

As teclas de ajuste do volume precisam da atuação do Gnome, mas o Gnome detecta sozinho a existência delas, e as configura automaticamente. Eu nem precisei tocar nessa configuração!

As teclas de atalho metálicas que ficam "fora" do teclado normal também precisam de configuração manual. As 3 teclas do lado esquerdo (originalmente pra chamar editor de texto, navegador web e leitor de e-mais) geram keycodes específicos, e aí basta usar o setkeycodes mapeá-los para que o Linux consiga usá-los efetivamente:

setkeycodes e001 201 && \
setkeycodes e002 202 && \
setkeycodes e003 203

Eu coloco esses comandos no arquivo /etc/conf.d/local.start, de forma que o sistema mapeia as teclas sozinho a cada boot.

As teclinhas da direita não são difíceis de configurar, e eu consegui facilmente associar as duas lupas (zoom-in e zoom-out) ao efeito de zoom do Compiz. Moleza.

WiFi

Pra mim, a rede sem fio é sempre uma coisa chata de configurar, mesmo que tenha total suporte por parte do Linux. Era chato com o driver madwifi que eu usava no Toshiba, e continua chata (embora menos chata) com o ip23945 desse Clevo.

Pra usar a rede sem fio com o chip ipw3945, é necessário instalar os seguintes pacotes:

  • ipw3945: driver da placa;
  • ipw3945-ucode: microcódigo necessário para que a placa funcione no Linux e
  • ipw3945d: daemon regulador da placa (é, eu também acho isso meio exageradamente complexo).

Mesmo que você não use a criptografia WPA, infinitamente mais segura que WEP, eu recomendo o pacote wpa_supplicant. Se for compilado com USE=qt4 ou USE=qt3, ele instala uma interface gráfica que torna facílima a busca e configuração de redes sem fio nas redondezas.

Mas cuidado para não violar a privacidade de ninguém!

Conclusão

O Clevo M660 é muito legal. O LCD especialmente brilhante e com ótimo contraste contribui muito para o sucesso que ele faz onde quer que eu o leve. Falando em leve, ele pesa "só" 2,6 kg, o que é um peso padrão atualmente, com essa excelente geração de notebooks levíssimos movidos a Centrino. :)

A ventoinha dele poderia ser menos barulhenta. Meu Toshiba anterior, embora tivesse um esquentadíssimo P4-M 2.8GHz, raramente ligava a ventoinha, e quando ligava não fazia quase nenhum barulho. Já o Clevo agüenta sem ventoinha uns 10 minutos, mas depois liga e raramente desliga.

Os atalhos hard-wired são definitivamente um plus. Plusão, eu diria!

O notebook, com um Core 2 Duo 2.0GHz e 100GB de HD, saiu um pouco mais barato do que cobravam em supermercados, Fnac e Fast Shop por notebooks bem inferiores, com Core Duo (nem Core 2 era) 1.6GHz e mais pesados. Ainda estou certo de que foi uma ótima opção.

Postar um comentário