2007-12-05

Natureza que nada! Salve as pessoas!

No último fim de semana fui assistir ao filme "A Última Hora (the 11th. hour)". Aí vai minha opinião, pros que por acaso se interessarem.

Gostei do filme. Acho que seu maior valor foi apontar algumas coisas que raramente vemos pessoas dizendo aos quatro ventos. Por exemplo, ninguém deve querer realmente salvar a natureza. Ainda que o homem desmate a Amazônia inteira e as calotas polares derretam, a natureza vai continuar existindo, e vai se recuperar! Nós queremos é manter o planeta habitável para nós mesmos, caramba!

Se alterarmos o comportamento da natureza de tal forma que ela se torne imprevisível (e isso é justamente o que o aquecimento global faz), vai ser muito difícil restar algum humano nesse planeta. Lembre-se de que em ambientes destruídos surgem as piores manifestações de que somos animais como qualquer outro: sofremos de epidemias terríveis e passamos a nos comportar de forma radicalmente selvagem (estupros, roubos, assassinatos...)

Então, ponto 1: salve a espécie humana. Para isso, conserve o restante da natureza.

Ponto 2

O segundo ponto tem a ver com energia. Nós gastamos mais energia do que a Terra recebe do sol.

A explicação: Nosso planeta sempre recebeu energia unicamente do sol. A energia do sol é convertida em várias outras formas de energia, tanto por seres vivos (nas cianobactérias e plantas: água + gás carbônico + luz = açúcar = energia) quanto por outros agentes (sol atrai a massa d'água dos oceanos -> maré sobe e desce [a lua também atua]). Por sorte nós temos gases que causam efeito estufa, porque eles conservam boa parte dessa energia na superfície do planeta, impedindo que essa energia simplesmente escape pro espaço.

Mas queimar petróleo é "trapaça". É gastar uma energia que não foi o sol que deu (pelo menos não recentemente). O resultado: um efeito estufa exagerado, que conserva muito calor aqui dentro do nosso planeta.

Relembrando o ponto 2: queimar combustível fóssil é "roubo".

Ponto 3

Reduzir o consumo de energia não significa vestir-se com pele de animais ou usar folhas para "esconder as vergonhas". Nós já temos tecnologia. Podemos reduzir o consumo construindo prédios mais eficientes no uso de energia, usando meios de transporte menos poluentes (quem me dera poder ir pro trabalho de bicicleta – mas metrô tá bom) e, quando não for possível reutilizar, reciclar tudo que for possível.

Ou seja, ponto 3: a tecnologia atual permite toda a redução de consumo energético de que precisamos. Ninguém precisa andar pelado ou dormir ao relento.

Ponto 4

Atualmente pagamos uma baba pela energia que algumas empresas extraem do (sub)solo. Ou seja, gastamos dinheiro para obter uma energia que é trapaça, como já vimos no ponto 2.

Se deixássemos de gastar esse dinheiro todo com extração e refino de petróleo e instalássemos captadores de energia limpa (que vem do sol, direta ou indiretamente) e renovável, como a eólica, a solar ou a de maré, por exemplo, teríamos um gasto muito menor a longo prazo. Isso significa mais dinheiro para gastarmos em:

  • Construção
  • Pesquisa e desenvolvimento de novas formas de energia
  • Serviços
  • O que mais quiséssemos

Em suma, ponto 4: trocar o petróleo por fontes limpas de energia é bomTM, e não ruim, para a economia.

O abandono dos gastos com extração e produção de petróleo não pioraria a economia; muito pelo contrário, melhorá-la-ia (apresento-lhes a mesóclise), pois colocaria mais dinheiro à disposição da criação de emprego e desenvolvimento econômico como um todo. (Nessa conclusão eu posso estar enganado, porque não entendo nada de economia. Mas no filme falaram isso, e fez sentido.) :)

Outros pontos interessantes

O filme é feito por americanos e para americanos. Até o meio do filme isso me deixou meio chateado. Mas aí eu percebi que os EUA, como centro da atual cultura de consumismo desenfreado – um ponto cuja relação com o aquecimento global o filme deixa bem claro –, responsável por algo como 25% do consumo mundial de energia, é também onde essa cultura contrária precisa surgir. Se eles próprios se convencerem de que precisam mudar, a exportação natural dessa nova cultura deles vai chegar a todos que contraíram o consumismo desenfreado da mesma forma.

E o Linux nisso?

  1. Trate com carinho a economia de energia em seus desktops, notebooks e servidores. Todo consumo inútil de energia é prejudicial.
  2. Só deixe seu computador ligado a noite inteira se for necessário.
  3. Já mencionei os recursos de economia de energia?
  4. ACPI, APM... Mesmo em desktops e servidores. Ah, já falei isso?
  5. Sou só eu ou alguém mais começou a achar o Gentoo agressivo ao meio ambiente?

3 comentários:

Anônimo disse...

belo texto... parabéns !!!

Anônimo disse...

Achei o texto muito bom, apenas discordo da tua opinião em relação ao Gentoo.

Parabéns! Bom trabalho!

Thiago F Pappacena disse...

Se você considerar que o Gentoo te dá a opção de compilar os programas otimizados para o seu processador, temos que:

- Você gasta bastante processamento (+energia) compilando.
- Você vai economizar esta energia posteriormente, já que, utilizando as instruções certas, seu processador efetuará muito menos operações para obter o mesmo resultado (-energia).

Um dia construo uma equacao que diga quantas vezes por mês vale a pena dar emerge world ;)

* Lembre-se que também dispomos de solucoes de cache de compilacao, o que reduziria o processamento necessario.
* Lembre-se tambem que os binarios compilados são, geralmente, bem maiores que os arquivos com codigo-fonte e que, para trafegar pela internet, há processadores de roteadores funcionando e consumindo energia. :P